Testemunhas enraizadas em Cristo e ousadia na missão (Mensagem para a Memória dos Bem-aventurados Mártires Claretianos – 1º de fevereiro)

Jan 27, 2022 | Espiritualidade, Painel dos avisos

Hoje celebramos a memória litúrgica do Bem-aventurado Filipe de Jesus Munárriz Azcona, sacerdote, e seus companheiros, religiosos e mártires. Como sabemos, este memorial obrigatório comemora todos juntos os 184 mártires claretianos que foram beatificados até agora. Recordamos, então, seguindo a ordem cronológica das beatificações, os 51 mártires de Barbastro (25 de outubro de 1992), o Padre Andrés Solá Molist (20 de novembro de 2005), os 23 mártires beatificados em Tarragona (13 de outubro de 2013) e os 109 em Barcelona (22 de outubro de 2017). Junto com eles, celebramos também a memória da Bem-aventurada Maria Patrocinio Giner, Irmã Missionária Claretiana, mártir (beatificada em 11 de março de 2001).

Recordemos também todos os nossos irmãos e irmãs cujo martírio ocorreu durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939) e que por vários motivos não foram reconhecidos até agora. Sem esquecer outros dois tão conhecidos entre nós como o Pe. Francisco Crusats, o primeiro mártir da Congregação (1868), que causou a admiração e santa inveja do Padre Claret, e do Pe. Rhoel Gallardo, filipino (2000), cujo processo de beatificação foi recentemente aberto.

A principal razão para a escolha do dia 1º de fevereiro como data da memória foi para marcar a memória dos Bem-aventurados Mártires com a data do atentado que Claret sofreu em Holguín (Cuba) em 1º de fevereiro de 1856. Embora nosso Fundador não tenha morrido mártir, como desejava, sua espiritualidade missionária é permeada pelo desejo de se configurar com o Cristo que sofre e morre por amor. Por isso, o derramamento de seu sangue em Holguín teve um grande significado para ele: “Não posso explicar o prazer, a alegria e a felicidade que minha alma sentiu ao ver que havia conseguido o que tanto desejava, que era derramar sangue por amor de Jesus e Maria e poder selar com o sangue das minhas veias as verdades do Evangelho” (Aut. 577).

A celebração litúrgica da memória dos Mártires Claretianos, depois da celebração do XXVI Capítulo Geral, convida-nos a acolher de modo especial as primeiras palavras da exortação pós-capitular: missão” (QC 1). A vida de nossos confrades é um belo e desafiador testemunho de enraizamento e ousadia. Eles não poderiam ter dado suas vidas com a liberdade e coragem que deram se não estivessem profundamente unidos ao Senhor. No desenho da segunda parte do sonho que Deus inspirou na Congregação durante o último Capítulo Geral, diz: “Inspirado pelo testemunho do nosso Fundador e dos mártires, a Palavra de Deus, da qual somos ouvintes e servidores (cf. CC 34, 46), é a luz e a força motriz da nossa vida missionária” (QC 52, a). Tanto a vida do nosso Pai Fundador como a dos nossos Mártires remetem-nos imediatamente para a Palavra de Deus como fonte de onde tiraram o seu alimento. Nela encontraram a luz que os atraiu para viver enraizados em Cristo e os libertou da idolatria de amar mais a própria vida. Nela encontraram a luz que esclareceu suas dúvidas e medos a ponto de lhes mostrar que sua fragilidade era o espaço no qual poderiam acolher a força de Deus. Ao mesmo tempo, a Palavra foi a força motriz que os lançou a serem corajosas testemunhas do Senhor. Não buscaram justificativas para escapar das difíceis circunstâncias que tiveram de viver; pelo contrário, no meio delas, descobriram que não havia amor maior do que dar a vida pelos amigos, como fez o Senhor. Nossos irmãos Mártires nos lembram que nenhuma circunstância pode justificar a covardia ou a mediocridade; pelo contrário, quando vivemos uma vida centrada em Deus, inevitavelmente sairemos de nós mesmos para as periferias que mais precisam da luz do Evangelho.

O título do documento pós-capitular nos lembra o profundo amor que nossos mártires tinham por nossa Congregação. O documento começa com as famosas palavras com que um dos Bem-aventurados Mártires de Barbastro, já perto da morte, dirigiu-se amorosamente à Congregação: “Amada Congregação”. Para todos eles, não é uma instituição religiosa fria; antes, consideravam-na sua “mãe amada”, onde aprenderam a conhecer e seguir Jesus ao estilo de Claret. Sentiam-se parte de uma família que os amava e que amavam intensamente. É comovente ouvir esta forma afetuosa de se referir à Congregação. Ao mesmo tempo, essas palavras se tornam uma interpelação que questiona como estamos vivendo hoje nosso sentimento de pertença congregacional: Considero os irmãos que Deus me deu como minha “amada congregação”? Que tipo de relação fraterna tenho com esses irmãos do carisma e da missão? Minha comunidade real e concreta é um espaço “amado” que cuido e cultivo? Nossos mártires nos encorajam a viver esta fraternidade centrada em Cristo e na missão.

Confiemos toda a Congregação à intercessão dos Bem-aventurados Mártires Claretianos para que continuemos abraçando o sonho de Deus e nos comprometendo a realizá-lo fielmente.

 

Pe. CARLOS SANCHEZ MIRANDA, CMF

Prefeito Geral de Espiritualidade e Vida Comunitária

 

 

 

LITURGY – http://www.itercmf.org/claretian-feast-days/memoria-of-the-blessed-claretian-martyrs/

 

MASS AND READINGS – http://www.itercmf.org/claretian-feast-days/memoria-of-the-blessed-claretian-martyrs/

Categorias

Arquivos

No final de mais uma jornada

No final de mais uma jornada

Madri, Espanha. No dia 2 de julho de 2022, a Frágua-25 chegou ao fim. Os participantes chegaram a este marco com um bom sentimento. Completaram dois meses e meio totalmente dedicados a conhecer um pouco melhor o carisma da Congregação, rezando por mais tempo,...

claretian martyrs icon
Clotet Year - Año Clotet
global citizen

Documents – Documentos