100 anos – Aprova-se a construção de um templo dedicado ao Coração de Maria em Roma

Set 6, 2022 | Aniversários, Governo Geral

Em agosto de 1922, o XII Capítulo Geral da Congregação reuniu-se em Vic. Na Sessão número 42, 6 de setembro, foi decidido o seguinte: “Sobre a oferta feita pelo Sumo Pontífice à Congregação (15.000 m2 na área do Parioli de Roma para construir um templo ao Coração de Maria), o capítulo aceita publicamente por unanimidade, levando em conta os seguintes motivos: 1º a generosidade do Sumo Pontífice Bento XV; 2º o seu desejo e o de seu sucessor Pio XI que aceitemos e nos encarreguemos da obra; 3º que a própria Igreja nos ajudaria e 4º que isso não nos impõe nenhuma obrigação civil, mas apenas moral de fazê-lo como e quando pudermos”[1].

Seria necessário começar desde o início apresentando um personagem, o Barão Carlo Monti, diretor geral do fundo pró-culto, que em suas frequentes visitas ao Papa Bento XV, de quem era amigo íntimo, repetidamente lhe expressava a ideia que havia concebido e o desejo de seu coração de erigir na cidade de Roma um templo votivo dedicado à Santíssima Virgem, Rainha da Paz. Em 1917, a empresa Quartiere Valle Giulia, proprietária de grande parte das terras dos Monti Parioli, decidiu oferecer ao Papa alguns terrenos indeterminados para a construção de uma igreja. Esses terrenos seriam determinados sempre que a Santa Sé tivesse um projeto de construção para um edifício sagrado. Isso traria indiretamente um benefício para a sociedade, pois significaria uma reavaliação de suas terras. O próprio Barão Monti, que conhecera o arquiteto Armando Brasini para o projeto da cúpula da igreja de Santo Inácio, abriu-lhe as portas do Vaticano.

Brasini, que havia intervindo na Fundação da Sociedade do Quartiere Valle Giulia, estava ciente da cláusula acima indicada porque a havia posto em prática, e preparou um projeto para uma igreja do tipo Santa Inês na Piazza Navona com uma canônica ao lado. Ao apresentar este projeto ao Papa, acompanhado pelo Barão Monti, Bento XV disse, depois de examiná-lo, “queremos uma igreja mais monumental”. Ao que Brasini respondeu: “Tudo bem, Santidade, eu a projetarei com prazer, mas a quem vamos dedicá-la?” O Barão Monti respondeu: “Certamente à Madonna”. Bento XV acrescentou: “sim, à Madonna e aos quatro evangelistas”.

Confirmado o lugar oferecido pela companhia de terras, o Papa Bento XV enviou Dom Tedeschini para examiná-lo na companhia do Barão Monti e Brasini. O que Tedeschini respondeu ao Papa quando viu aquela terra foi: “este é um poço bom que só serve para criar rãs”. Na verdade, era um terreno baixo onde a grama abundava graças à água do subsolo. O Papa, ao receber essas mensagens negativas, não aceitou a doação dessas terras, suavizando a recusa dizendo que ainda não havia fiéis no local, o que era verdade. Isso aconteceu em 9 de setembro de 1918.

Diante dessa resposta negativa, alguns da Companhia foram da opinião de que deveriam oferecer outros terrenos mais bem localizados. No entanto, o arquiteto Brasini se opôs porque já havia combinado uma visão panorâmica que corresponderia à ponte Flaminio, que ele já havia concebido. A referida ponte deveria unir-se a uma avenida que chegaria a Maresciallo Pilsudsky e Guidubaldo del Monte, para que a ponte Flaminio se unisse ao templo, e de lá houvesse uma vista muito bonita: à direita a cúpula do Vaticano e à esquerda a cúpula do templo.

Doc08335820220906083811 001 Scaled

Em todo o caso, ficou claro que esta doação se devia ao fato de o terreno não ser muito adequado para construção, mas serviria para revalorizar o terreno contíguo. Assim, Basini insistiu em pagar uma grande soma de dinheiro a um garçom do Papa para influenciar a seu favor, e também propor uma mudança de título, dedicando o templo a “Santiago (patronímico do Papa Giacomo della Chiesa) e aos 4 evangelistas”. Assim, em poucos meses, o Papa mudou de ideia e aceitou a doação, sempre com a intenção de construir o templo “quando as condições da Santa Sé o permitirem”. Mas a realidade era que o Papa não tinha a intenção, segundo a opinião oficial de Pe. Felipe Maroto, de se envolver em uma questão que envolvia um gasto exorbitante de dinheiro.

Enquanto isso, Pe. Martín Alsina fazia uma visita às terras da América, que ocupariam todo o ano de 1921. Dali, como nos conta Pe. Joaquín Bestué, enviou um cheque de 1.200.000 pesetas para comprar uma casa e uma igreja em Roma, já que da casa pela via Giulia só tínhamos alguns quartos alugados[2]. Naqueles dias os claretianos tinham uma longa lista de casas que estavam à venda. Pe. Felipe Maroto enviou Pe. Esteban García ao Vaticano para perguntar se poderíamos adquirir um deles localizado entre a Piazza de La Indipendenza e Castro Pretorio. Dom Mariani falou com o Papa, que disse a Dom Mariani que oferecesse aos claretianos o Projeto Brasini em Parioli. Eram os primeiros dias de 1922.

Em 17 de janeiro de 1922, Pe. Joaquín Bestué, superior da casa, escreveu ao Pe. Geral, já de volta da América, de onde havia chegado em 31 de janeiro, e disse: “Deram ao Papa grandes terrenos em um bairro muito moderno em que ainda não há igreja. Um dos que intervieram no assunto falando com um padre, sabendo que procurávamos uma casa, disse-lhe que poderíamos realizar o trabalho da Igreja naquelas terras. Objetando-lhe o padre que preferiríamos, nesse caso, dedicá-lo ao Coração de Maria e não a Santiago, segundo a ideia do doador. Aquela pessoa é um monsenhor do alto escalão disse ao Papa, que respondeu que para ele a questão da dedicação era secundária e que ele se encarregaria de descobrir quais eram nossos projetos e nossas forças”.

Numa carta do Pe. Maroto de 24 de janeiro ao Pe. Arrrandiaga, comentou a situação e acrescentou: “descobrimos melhor o que estava lá e verifica-se que a terra é realmente oferecida e aceita pelo Papa, mas legalmente ainda não foi transferida para a Santa Sé, além disso, o arquiteto que propôs o projeto tem o direito de dirigir as obras. Tendo conversado com ele, disse que naturalmente devemos continuar seu projeto de um majestoso templo dedicado a Santiago, etc. certamente com um gasto de muitos milhões, tanto que ainda não pode ser previsto, e o mesmo arquiteto espera apenas começar a executar seu projeto, deixando para os futuros desenvolvê-lo e finalizá-lo. Apesar de toda essa grandeza, Pe. Larraona diz que teríamos que continuar porque não deixaríamos de ter meios. Agora, com a morte do Papa, tudo isso fica ainda mais incerto. Eu e alguns outros persistimos na ideia de comprar o villino na Via Aurélia” (próximo à Curia dos Franciscanos).

Pio XI ordenou a Brasini que simplificasse o projeto (ver Anales 1923, pág. 52), e enviou novamente Dom Mariani para falar com Pe. Maroto, com quem o arquiteto Brasini também se encontrou. Ao mesmo tempo, a Companhia Aedes, cessionária do terreno à Santa Sé, datada de 28 de abril de 1922, lavrou uma escritura de doação em favor da Santa Sé e prometeu comprar mais um terreno para completar a área.

Como dissemos no início deste artigo, o XII Capítulo Geral reuniu-se em agosto de 1922 e tomou a decisão de assumir o compromisso, sabendo que a Companhia, proprietária do terreno, havia feito a doação ao Papa, dando dois anos para começar as obras (Anales 1923, pág. 49). Em 9 de fevereiro de 1923, o Papa autorizou a dedicação do templo ao Imaculado Coração de Maria. Em 20 de maio de 1924, Dia da Ascensão, foi lançada a pedra fundamental [3].


[1] Quando esta decisão foi tomada, tanto o Papa que fez a oferta quanto o Pe. Geral que a recebeu haviam morrido naquele mesmo ano. Um em 22 de janeiro, o outro em 2 de março de 1922.

[2] A casa seria comprada em 1926.

[3] Ver “Breves Notas para a história do Templo Votivo Int. ao I. Coração de Maria. Roma”, 1954, do Pe. Ramón Pujol (A. G.: C-E-08-22).

Categorias

Arquivos

Asanteni Sana!

Asanteni Sana!

Iniciamos nosso dia de sábado agradecendo a Deus pelo novo dia; os irmãos do Governo Geral animaram a oração da manhã que nos lembrou a presença de Maria em nossa comunidade congregacional. Abordamos várias questões esta manhã. A primeira foi motivada pela pergunta:...

Tríades

Tríades

Na festa de Nossa Senhora das Dores, a ASCLA Oriente animou a liturgia do dia enquanto Valens Agino, CMF, serviu como moderador das sessões. A tríade de apresentações caracterizou as sessões matinais e vespertinas do dia: três intervenções pela manhã e três à tarde. A...

claretian martyrs icon
Clotet Year - Año Clotet
global citizen

Documents – Documentos