Recordando o Primeiro Centenário do Servo de Deus, Jaime Clotet y Fabrés, Cofundador dos Missionários Claretianos

Jul 23, 2022 | Jaume Clotet

Na vigília do Bicentenário do Nascimento de Jaime Clotet Fabrés, Cofundador da Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria, trazemos o que o Pe. Juan Postius, CMF, escreveu nos Annales da Congregação, 24 de julho de 1922, pág. 781-784, referente ao primeiro centenário do nascimento do Servo de Deus Jaime.

No dia 24 de julho de 1922 assinala-se o primeiro centenário do nascimento do Servo de Deus, Pe. Jaime Clotet y Fabrés, missionário e escritor de nossa Congregação. Clotet quando estudávamos filosofia na Universidade de Cervera. Mas aquele rápido vislumbre ficou profundamente gravado em nossas almas, assim como a imagem de um santo, e de um santo bondoso, que lhe deu tanta fama dentro e fora de nosso amado Instituto.

Clotet deixou um rastro tão luminoso de santidade que, quando morreu, em 4 de fevereiro de 1898, todos queriam vê-lo nos altares e exortavam nossos superiores a iniciarem a causa de sua beatificação. A apoteose de Clotet foi iniciada por um ilustre conterrâneo, tirado de nossos olhos há pouco tempo: Revmo. Pe. Martin Alsina, Superior Geral. Seu predecessor de venerável memória, o santo padre Clemente Serrat, já havia encomendado ao primeiro historiador do Instituto, Pe. Mariano Aguilar, a biografia do Pe. Clotet. Mas queríamos algo mais do que a fama do santo. Aspirávamos por sua glorificação na terra. A biografia saiu em 1907. O primeiro passo oficial no processo de beatificação data do Pedido escrito ao Prelado de Vic pelo Revmo. Pe. Alsina, em 10 de março de 1919. É o seguinte:

“Seguindo a opinião de pessoas muito respeitáveis, decidi iniciar um processo informativo canônico sobre a reputação de santidade e virtudes de nosso Cofundador, Revmo. Pe. Jaime Clotet. E como Sua Excelência é tão determinado Protetor da Congregação dos Missionários e naquela diocese e cidade, ainda há muitas testemunhas oculares da vida edificante do dito Padre, não hesitei em pedir-lhe que nos conceda esta nova gentileza de abrir na Cúria o referido processo, se Sua Excelência não vê nenhuma dificuldade nisso. — O Revmo. Pe. Jacinto Blanch, portador do presente, é o Vice-Postulador da Causa e dará a Vossa Excelência todas as informações que forem convenientes para o efeito.”

Logo após a apresentação do pedido ao Prelado de Vic, começaram os passos para o reconhecimento do túmulo do Padre Clotet no cemitério de Barcelona. Cerca de vinte pessoas, incluindo o Provincial da Catalunha, seu Secretário e os Superiores da cidade de Barcelona, assistiram ao reconhecimento dos venerados restos mortais depositados em uma caixa dupla. Eles tomaram muito cuidado para que ninguém levasse ossos, e a devoção se limitou a tocar objetos e cartões de oração, que começaram a ser distribuídos, 16.000 deles (carta do Pe. Jacinto Blanch de 4 de agosto de 1919).

O reconhecimento do túmulo do Pe. Clotet foi verificado em 3 de julho de 1919. Em 18 de dezembro seguinte, o tribunal eclesiástico para a causa de sua beatificação foi constituído em Vic, sob a presidência do Prelado, como Juiz Ordinário, e do cônego Dr. Jaime Collell, como Juiz Delegado.

A simples iniciação do processo do Pe. Clotet revela o alto destaque de sua figura dentro da Congregação e até mesmo entre seus fundadores. O comerciante de Vic, Sr. Miguel Trias, afirmou ver o Padre Clotet como o mesmo Padre Claret. A rainha Isabel II pensou ter visto no padre Clotet a imagem do padre Claret quando em 1889 e 1890 teve de testemunhar em Paris e Madri sobre a santidade do seu confessor. Muitos desejavam que ele tivesse terminado seus dias em Vic, para ter outro santo ao lado do Padre Claret. O Cônego Penitenciário de Urgel escreveu em maio de 1907:

“Era um santo, recomendava-se a ele e atribuía-lhe prodígios na vida e na morte. Em tudo, mesmo na doença, quis imitar o Padre Claret”.

(V. Aguilar, Biography, pp. 263-267, 475-476).

Clotet não tinha os dons oratórios do Pe. Claret, mas ambos possuíam os mesmos critérios e obedeciam ao mesmo impulso de caridade ou amor por todos os homens. Pe. Santiago Mas, assim caracterizou três dos Fundadores:

“Assim como o Padre Fundador quis levá-los todos para o céu pela devoção a Maria, assim como o Padre Sala quis salvá-los a todos pela caridade com Deus e com o próximo, e como o Padre Xifré pelo medo; da mesma forma, o Fundador quis para salvá-los a todos pela caridade com Deus e com o próximo. O Pe. Xifré pelo medo, tanto que o Padre Fundador, em todos os seus sermões, no início, meio ou fim, teve que trazê-los todos sob o manto de Maria, e de lá ou por este meio levá-los todos para o céu. Em quase todos os seus sermões, o Padre Sala tinha que falar da caridade para com Deus e ao próximo. O Padre Xifré não sabia pregar sem iluminar a audiência com as chamas do inferno.”

O Padre Mas continua: Padre Clotet tentou imitar o Padre Claret em sua vida e ministérios, o Padre Sala no governo das casas e na direção das almas, e o Padre Xifré na elevação de visões e ideais da fé divina. Deus reuniu sabiamente os personagens opostos do Padre Xifré e do Padre Clotet para que a construção harmoniosa da Congregação dos Missionários nascesse de um contrapeso mútuo. O Pe. Clotet, como Pe. Xifré, foi chamado pelo Pe. Claret para a fundação de nosso Instituto em julho de 1849. Apesar da juventude, foi Ministro local (1850-65), Subdiretor e Conselheiro Geral (1858-88), Superior Local de várias casas e escolas na Catalunha, França e Castela (1865-95), e Secretário Geral do Instituto (1888-95). As perseguições do Padre Xifré durante a Revolução e suas repetidas e prolongadas ausências obrigaram o Padre Clotet a servir como superior geral interino, conquistando todos os corações pela caridade e prudência e pelo exercício das demais virtudes. O complicado governo da Congregação não o impediu de pregar, escrever e fazer outras obras de caridade. Antes da Revolução, participou em mais de 40 missões. Compôs várias obras curtas para a Congregação e o clero, sem contar seu clássico Resumo da Vida do Padre Claret nem os materiais para sua extensa vida. A alma do escritor foi retratada nos folhetos e livros para a catequese de surdos e mudos. Já em 1850, aprendeu a catequizar os surdos-mudos, abrindo-lhes uma cadeira e escrevendo o necessário para perpetuar esse trabalho. Em 1866, ele publicou A Comunicação do Pensamento Utilizando Sinais Naturais; em 1870, o Catecismo do Mudo; em 1890, O Catequista dos Ignorantes Surdos e Mudos; e em 1892, um apêndice deste livro.

Esta é a vida do ilustre filho de Manresa, o seminarista de Vic, o vigário de Castellfollit del Boix, o ecônomo de Civit e o Cofundador da Congregação dos Missionários. E outro Cofundador, o muito austero Padre Xifré, escreveu do Padre Clotet estas palavras significativas:

“Chegou aos setenta e cinco anos, período em que foi modelo de piedade, zelo e exercício de todas as virtudes, que o acompanharam até o fim, como testemunham todos os que o conheceram e trataram ou testemunharam sua morte, que, por sua paciência, resignação e fervoroso amor a Deus, foi precioso e edificante”.

(ANALES, VI, p. 296)

Juan Postíus, C.M.F.

Annals of the Congregation, July 24, 1922, pg. 781-784.

Categorias

Arquivos

claretian martyrs icon
Clotet Year - Año Clotet
global citizen

Documents – Documentos