Uma audaciosa viagem à Ucrânia

Abr 3, 2022 | Claretianos hoje, Polska

Boryslav, Ucrânia. Oferecemos agora as informações sobre a viagem do Superior Provincial, do Ecônomo e do Secretário da Polônia à Ucrânia de 29 a 30 de março de 2022:

Nos dias 29 e 30 de março de 2022, juntamente com o Ecônomo Provincial, Ir. Tadeusz Lihs, CMF, e o Secretário Provincial, Pe. Łukasz Przybyło, CMF, fomos à Ucrânia. De fato, a nossa viagem à Ucrânia já tinha começado mais cedo, porque incluía a compra e preparação dos artigos mais necessários, não só para aqueles que são ajudados diretamente pelos nossos irmãos e irmãs (Pequenos Servos da Imaculada Conceição), mas também para o hospital Boryslav e aqueles diretamente na frente (soldados, entre outros). O Ir. Tadeusz e seus inúmeros voluntários cuidaram de tudo isso. Para alguns itens, como alimentos, produtos químicos ou doces, bastava ir a uma loja ou atacadista; outros, como suprimentos médicos, precisavam ser encomendados com antecedência, e outros, como um gerador de eletricidade, eram quase milagrosos para comprar porque simplesmente não estavam disponíveis nas lojas.

“O milagre” consistiu em espalhar a notícia sobre a necessidade de comprar um gerador desse tipo entre amigos (aqui novamente a ajuda do FaceBook foi inestimável) e aconteceu que alguém conhece um diretor de um hospital que acaba de receber um gerador desse tipo e está disposto a revendê-lo, e para as necessidades deste hospital pode ser adquirido no futuro. Esta é mais uma prova da grande bondade de muitas pessoas que tentam ajudar o povo da Ucrânia.

Depois de reunir todos os itens necessários, na noite anterior à partida, começou a embalagem do ônibus e do carro com várias caixas: 700 kg de açúcar, sêmola, arroz, compotas, doces; remédios, desinfetantes, bandagens, lanternas, pilhas, colchões, cobertores… (espero não ter esquecido nada), e no total foram quase 2 toneladas de tudo! Graças à ajuda de voluntários da nossa paróquia em Lodz, a embalagem correu bem. Depois de empacotar todos os presentes, sobrou pouco tempo para dormir, pois a partida estava marcada para as 4h.

Pontualmente às 4:00 saímos de Łódź em direção ao posto fronteiriço de Kroscienko. Esta é a menor passagem de fronteira e é por isso que a escolhemos: é a que escolhe o menor número de pessoas, então há mais possibilidades de cruzar a fronteira rapidamente. Conforme planejado, após cerca de 7 horas de condução chegamos à passagem de fronteira. Para nossa surpresa, descobriu-se que era ainda mais silencioso do que esperávamos. Além de uma dúzia de barracas e várias organizações de ajuda, praticamente não havia fila no lado polonês ou ucraniano. Então, aqui estamos na Ucrânia.

Estranhamente rápido e indolor – como se não houvesse guerra – passamos pela estrada para Boryslav, com uma parada para recarregar o ônibus bem na fronteira. A partir desse momento fomos “escoltados” pelo pároco, Pe. Krzysztof Łabędź CMF. Apenas barricadas desmontadas nas entradas das cidades e vilas indicam que há uma guerra. Percebemos que os nomes das cidades e as placas de sinalização estavam obscurecidas para dificultar a identificação de possíveis “convidados” da Rússia. Fora isso, paz e tranquilidade, a vida flui preguiçosamente nas vilas e cidades que passamos enquanto dirigimos.

As irmãs moram em Boryslav – nossa segunda paróquia ao lado de Truskavets – e é aqui que fica o ponto de descarga e recarga de produtos da Polônia. Mais uma vez tivemos a oportunidade de exercitar nossos músculos – na última descarga. Tudo correu muito bem: você pode ver a experiência que eles ganharam nas últimas semanas. Irmã Teresa se gabou de que seu recorde de descarregar 20 toneladas de um caminhão era de 3 horas. Todas as coisas são organizadas de acordo com seu propósito: algumas para os refugiados que viviam em Boryslav e Truskavets, algumas para os hospitais, algumas para os soldados do front ou para os civis que ficaram lá; e, claro, geradores para o hospital e para nossos irmãos.

Depois vamos a Truskavets para a Eucaristia; a seguir, almoçamos e saímos para passear um pouco. Para quem não sabe: Truskavets é uma cidade termal, com muitos sanatórios, que durante a guerra foram convertidos em hotéis para os refugiados mais ricos do leste da Ucrânia. Nossos confrades dizem que atualmente todos os sanatórios estão cheios: 35.000 pessoas. Isso também pode ser visto nas ruas. Mas você realmente não vê uma guerra aqui: as lojas e restaurantes estão abertos; você vê filas para café; muitos caminhantes preguiçosos. O fato de haver uma guerra foi lembrado pelo som de sirenes de tempos em tempos relatando um foguete disparado em algum lugar. Esses sons de alerta nos impressionam muito, nós os ouvimos o tempo todo, mas além de nós ninguém se importa muito. Embora certamente cada pessoa lá dentro esteja com coceira pelo fato de outro foguete voar da Rússia ou da Bielorrússia para matar pessoas inocentes, compatriotas…

À tarde encontramos Yura, um ucraniano que há alguns anos estava no noviciado de nossa congregação e que hoje serve no exército ucraniano. Alguns dias atrás ele foi ferido e levado para Truskavets para convalescença. Como o mundo é pequeno… Enquanto caminhava para encontrá-lo, pensei que Yura provavelmente estava arrasado ou triste com seus ferimentos, e aqui está ele diante de nós, um homem sorridente que diz com voz segura que assim que se recuperar, voltará à frente para continuar lutando. E acrescenta com voz segura: “Vamos vencer, porque não fomos nós que começamos esta guerra e estamos em casa”. A conversa continuou por um longo tempo: sobre a vida no front, sobre como ele foi ferido, sobre fé, sobre o futuro, sobre sua mãe que heroicamente traz ajuda para a cidade de Sumy. Também falamos com um homem mais velho, Nicholas – também um soldado ferido – que vem de Mariupol. Ele disse que a esposa não queria ir embora e foi lutar. Quando lhe dissemos que éramos sacerdotes, ele declarou que não era crente; no entanto, ele se benzeu e disse que sua avó o havia batizado, e que ela era uma mulher forte e sábia. Como nossas avós, certo?

Depois de um dia excepcionalmente longo e agitado, voltamos para casa e conversamos com nossos irmãos. Estamos muito encorajados por seu compromisso, sua dedicação em ajudar os refugiados, mas também por sua declaração de não se mudar, aconteça o que acontecer.

A noite passou com o som da chuva caindo e as sirenes que soavam de vez em quando, no escuro como breu, pois há um blecaute obrigatório na cidade – depois da meia-noite todas as luzes da cidade são apagadas para dificultar localizá-los na cidade, uma possível tentativa de ataque aéreo.

Pela manhã vamos para Boryslav, onde gravamos vídeos e tiramos fotos; depois a Eucaristia e ida ao hospital infantil, onde doamos o famoso gerador de eletricidade. Para nós é “apenas” um gerador, mas para a equipe médica e os pacientes é uma questão de vida ou morte na situação atual. Até o vice-prefeito da cidade veio nos agradecer pessoalmente por esse presente. Isso também foi registrado em filme. Graças a Deus que pudemos ser uma extensão das mãos de tantas pessoas generosas!

Despedimo-nos dos nossos confrades e Irmãs, porque é hora de partir para a nossa viagem de regresso. Adeus, Ucrânia! Ou melhor, “até breve”, já que alguns de nós planejam vir com outro “lote” de presentes.

Embora estivéssemos na Ucrânia por menos de 24 horas e não tenhamos visto a verdadeira guerra das linhas de frente, muitas das pessoas que contamos sobre essa viagem nos veem como uma espécie de heróis, o que não somos. Os heróis são os que ficaram lá, lutando contra os invasores russos. Os heróis são o pessoal médico, as inúmeras freiras e padres e as pessoas comuns que arriscam suas vidas para levar bens essenciais às zonas de combate. Os heróis são aqueles que tiram as mulheres e crianças das cidades bombardeadas, muitas vezes arriscando e perdendo suas vidas, porque os russos também atiram em civis, por exemplo, aqueles que fazem fila para comprar pão. Estas são as histórias que os motoristas nos contam; também os conhecemos pelos noticiários. Estas são as histórias contadas pelas irmãs e claretianos que encontram diariamente as testemunhas desta tragédia.

Muito obrigado a todos aqueles que nos possibilitaram ir, ou seja, todos os doadores da CMF e os leigos. Queremos agradecer a todos os voluntários que, apesar das suas obrigações diárias, dedicaram o seu tempo livre a comprar, separar e embalar todos os produtos que trouxemos para a Ucrânia. Finalmente, agradecemos àqueles que estão no início, na linha de frente: as Irmãs, nossos irmãos e todos os funcionários das cidades de Boryslav e Truskavets que coordenam as atividades de forma tão eficaz.

É bom ver e saber quanta bondade sai de seus corações. Agradeço a Deus por todos vocês.

Pe. Piotr Bęza, CMF, Provincial da Polônia

Categorias

Arquivos

Quinto transporte humanitário para a Ucrânia

Quinto transporte humanitário para a Ucrânia

Truskavets, Ucrânia. Mais uma vez, trazemos-lhes as últimas notícias sobre a ajuda humanitária na Ucrânia através dos nossos confrades da Província da Polônia: Caros confrades, benfeitores e amigos. Recentemente, voltei da minha quinta viagem em um carro totalmente...

claretian martyrs icon
Clotet Year - Año Clotet
global citizen

Documents – Documentos